Qual a importância e como é feito o exame Holter?

como é feito o exame Holter
13 minutos para ler

De acordo com  a Organização Mundial da Saúde (OMS), todos os anos, quase 17 milhões de pessoas perdem a vida por causa de problemas cardíacos ao redor do mundo. Para minimizar esses números alarmantes, a medicina vem se aliando cada vez mais com a tecnologia para apoiar o diagnóstico, prevenir e tratar enfermidades cardiovasculares. Um dos exames para acompanhamento da saúde do coração, trata-se do exame Holter. Neste artigo trataremos como é feito o exame Holter, sua importância, preparo e interpretação. 

O que é o exame Holter?

O Holter é um exame que aponta cardiopatias, como arritmias e a fibrilação atrial. O objetivo é o mesmo do eletrocardiograma (ECG), monitorar a atividade elétrica do coração. A grande diferença entre ele e o ECG padrão, entretanto, é o tempo de duração: no caso do Holter, o paciente deve permanecer com o aparelho durante 24 horas. Dessa maneira, é possível monitorar a atividade elétrica do coração ao longo do dia. Esse procedimento detecta arritmias, taquicardias e outros problemas associados à saúde cardiovascular.

Trata-se de um monitor portátil que fica acoplado junto ao corpo da pessoa submetida ao procedimento. É indolor, e o paciente executa todas as atividades do dia a dia normalmente, exceto tomar banho, já que isso implicaria na imprecisão dos resultados.

Apesar de contar com a colaboração do paciente, os técnicos em enfermagem, enfermeiros e outros profissionais da saúde podem realizar o exame, embora a interpretação seja função, idealmente, de um cardiologista. Além disso, atualmente, é possível emitir laudos à distância, via telemedicina, o que facilita o acesso de clínicas e hospitais a esses especialistas, bem como dos pacientes, que podem obter um diagnóstico mais rápido – fator importante em casos de doenças cardiovasculares.

Para que o exame beneficie tanto o paciente, na detecção de patologias, quanto o cardiologista, com um exame sem erros de execução, é preciso que o profissional da saúde esteja preparado e saiba exatamente como realizar o exame. Vamos entender, agora, o passo a passo para a boa execução do exame.

Como é feito o exame Holter?

como é feito o exame Holter

Para entender qual é a importância e como é feito o exame Holter, é preciso ter em mente que alguns cuidados são necessários, a fim de que o exame saia como o planejado e tenha  uma boa qualidade, facilitando a interpretação do exame, a emissão do laudo e a escolha do melhor tratamento para as doenças identificadas. Confira a seguir um passo a passo para a realização do Holter:

Passo 1: O paciente deve estar com o tórax desnudo. Se o exame for realizado em um paciente que usa sutiã ou top, garanta que estas peças não apresentem metal.

Passo 2: Retire o excesso de oleosidade com lixa específica e gaze embebida com álcool 70%, nos locais de eletrodos.

Passo 3: Conecte os eletrodos na ponta do cabo do Holter para facilitar a instalação.

Passo 4: Insira o cartão na posição indicada do aparelho conforme a imagem abaixo

Passo 5: Posicione os eletrodos adesivos no paciente, seguindo a orientação abaixo.

Passo 6: Conecte o cabo do paciente ao aparelho.

Passo 7: Insira a pilha no dispositivo na posição indicada no aparelho. Fique atento, pois ao inserir a pilha no aparelho, ouve-se um som e os leds verdes e amarelos piscam alternadamente. Em seguida o led pisca três vezes consecutivas, aguardando a Gravação.

Passo 8: Inicie a gravação acionando o botão azul com apenas um toque. O led verde piscará alternadamente.

Passo 9: Fixe o aparelho na cintura do paciente.

Passo 10: Após as 24h de realização do exame, para finalizá-lo, pressione o botão azul por 3 vezes e mantenha pressionado até que um som seja emitido.

A expertise dos profissionais durante estas etapas e a forma como é feito o exame Holter definem o sucesso do exame. Além disso, o paciente também precisa assumir uma postura ativa. Ou seja, durante as 24 horas em que fica com os aparelhos e os eletrodos, ele deve escrever uma espécie de diário. 

As anotações contêm, portanto, o dia do paciente, o que ele fez, os seus momentos de descanso e atividade. Ele deve ficar especialmente atento aos eventos que podem provocar alguma alteração, como palpitações ou tontura. 

Esse material é valioso para ajudar na interpretação do exame, juntamente com os resultados obtidos pelo Holter. 

Como é feito o exame Holter: existe preparação para o exame?

Antes do exame, existem algumas informações importantes que devem ser esclarecidas com os pacientes. É importante que os portadores de marca-passo, por exemplo, mostrem as informações do equipamento, expressas na carteirinha de identificação. Elas são cruciais para interpretar resultados do Holter e compor o laudo médico.

Além disso, os pacientes precisam ter alguns cuidados para fazer o teste. Ou seja, é recomendado tomar banho antes do exame, já que o paciente ficará pelo menos 24h sem fazê-lo, e não aplicar cremes ou outros cosméticos na região torácica.

Como é feito o exame Holter: Interpretação de resultados

Para interpretar o Holter é preciso seguir as orientações da fabricante do aparelho para análise gráfica. Nesse sentido, é essencial que o jeito como é feito o exame Holter seja exemplar. Além disso,deve ser avaliado, idealmente, por um cardiologista.

Depois da interpretação, o cardiologista emite o laudo de Holter, documento em que explicita os seguintes tópicos:

  • Informações do paciente
  • Detalhes do procedimento
  • Detalhes sobre a frequência dos batimentos cardíacos
  • Sobrecarga de cavidades
  • Distúrbios de condução
  • Intervalos
  • Bloqueios

É só aí que ocorre a interpretação do Holter, que pode ser normal ou anormal. A seguir, vamos explicar o que significa cada um deles.

Holter Normal 

O Holter Normal indica que a atividade elétrica e o ritmo dos batimentos cardíacos estão dentro do padrão, ou seja, entre 50 e 100 por minuto. É preciso estar atento, porque, às vezes, o Holter de 24 horas pode não indicar algum problema. 

Assim, se os sintomas persistirem, há a possibilidade de se realizar o exame novamente por 48 horas ou 7 dias.

Holter Anormal

Nesse caso, o exame apresenta alguma irregularidade. A partir dessa identificação,é preciso focar nas imagens geradas pelo Holter a fim de se realizar a análise, que deve ser baseada nos seguintes critérios: 

Ritmo Cardíaco – O coração bate de forma única em cada pessoa e pode variar de acordo com a idade ou condicionamento físico. Ainda assim, mesmo que algumas alterações no ritmo dos batimentos cardíacos seja normal durante o dia, a repetição dessas disfunções deve ser avaliada.

Assim como no ECG, o ritmo é analisado a partir da sua origem no nó sinusal (ritmo sinusal), ou a partir de outra parte do coração, como a fibrilação atrial. 

Frequência Cardíaca 

A frequência cardíaca indica a quantidade de esforço que o coração realiza, em batimentos, para bombear o sangue. Se o coração faz muito esforço para isso, serão necessárias mais batidas por minuto.

A fim de se realizar a interpretação do Holter, foram estabelecidos números ideais para a frequência, medidos em bpm (batidas por minuto).

Segundo as diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a frequência ideal é para:

  • Adulto saudável: de 50 a 100 bpm
  • Bebês até os 2 anos de idade: entre 120 e 140 bpm
  • Crianças e adolescentes (8 a 17 anos): entre 80 e 100 bpm
  • Idosos (mais de 60 anos): de 50 a 100 bpm.

Bloqueios 

Acontece quando há um atraso na condução do impulso elétrico de uma região do coração para a outra, resultando na lentidão da transmissão do impulso elétrico dentro das estruturas internas do coração.

Alguns bloqueios não provocam sintomas, mas tontura, vertigem e fadiga podem indicar essa condição.

Arritmias

As arritmias podem ser causadas por cardiopatias, como insuficiência cardíaca e doença da artéria coronária, mas também por alterações presentes desde o nascimento, chamadas de anomalias congênitas.

Na insuficiência cardíaca, o coração tem dificuldade para bombear sangue suficiente para os órgãos e outras partes do corpo.

Já a doença arterial coronariana (DAC) é uma obstrução das artérias coronárias (aquelas que irrigam o coração).

Fatores técnicos para a interpretação no exame Holter:

  • Ritmo de base e variabilidade
  • Segmento ST
  • Condução atrioventricular e intraventricular 
  • Atividade Ectópica Ventricular  
  • Sintomas

Além disso, o diário de eventos e as alterações apresentadas pelo Holter são importantes para comparação. Juntos, ajudam os médicos a encontrar o diagnóstico mais facilmente.

Qual a importância do Holter?

como é feito o exame Holter

O Holter, como vimos, é importante porque auxilia médicos no diagnóstico de doenças cardíacas. Entre os sintomas que exigem avaliação estão:

  •  tontura;
  •  palpitação;
  •  falta de ar.

Essas são queixas bastante comuns em consultórios e hospitais e, portanto, merecem atenção, já que há diversas hipóteses clínicas que justificam os sintomas. Assim, o Holter é visto por muitos especialistas como uma solução mais precisa para descobrir o problema em questão.

Mas há ainda outros grupos de pessoas que têm indicação para o Holter. Por exemplo, aqueles pacientes que, mesmo com a ausência de sinais sintomáticos, já apresentaram alguma anormalidade ou doença cardíaca e precisam avaliar periodicamente a frequência dos batimentos do coração.

Nesse caso, o infarto do miocárdio ou cirurgias cardíacas justificam o procedimento, principalmente como método de prevenção e monitoramento do quadro. Os portadores de marca-passo também podem precisar desse acompanhamento.

A seguir, assista a explicação do Dr. Diandro Mota sobre o funcionamento do Holter e qual a sua importância no diagnóstico de doenças cardiovasculares.

Quem pode realizar o procedimento?

Não há contraindicações para o exame, já que até mesmo crianças podem realizar o procedimento, mas o paciente precisa ficar atento a alguns detalhes: 

  • Não utilizar colchão ou travesseiro magnético, pois isso pode prejudicar a eficiência do resultado;
  • De mesmo modo, alguns medicamentos, como betabloqueadores, podem ser suspensos, de acordo com orientação do cardiologista;
  • Exercitar-se não é necessariamente um problema, mas é importante estar atento: o excesso de suor e movimentações abruptas podem afetar a mensuração.

Depois de realizar o Holter, o paciente pode continuar sua rotina normalmente, dispensando atestado, repouso e medicação.

Quais doenças podem ser identificadas no Holter?

O exame pode indicar doenças cardíacas, como infarto e pericardite, arritmias, aumento das cavidades do coração e problemas nas válvulas cardíacas.

No entanto, o diagnóstico depende de uma combinação de fatores. Sendo assim, não é recomendado tirar conclusões apenas considerando o resultado do ECG com Holter. 

No caso dos males cardiovasculares (grupo de doenças que afetam coração e vasos sanguíneos), por exemplo, o histórico familiar tem bastante peso. Além, é claro, dos hábitos de vida do paciente que influenciam diretamente em sua saúde. 

Assim fica fácil notar a importância de uma interpretação precisa e profissional em relação ao exame.

Como a telemedicina auxilia profissionais da saúde com o exame Holter?

Depois que o exame está pronto, as soluções em telemedicina, como as oferecidas pela Neomed, são uma alternativa para assegurar a precisão dos exames e a agilidade na entrega de resultados. Isso porque este procedimento deve ser analisado, idealmente, por um cardiologista e, se possível, por um arritmologista e, nem sempre, as clínicas e hospitais contam com essas especialidades. 

Com a inserção dessa tecnologia na área da saúde, no entanto, é possível garantir ao paciente uma alta qualidade na hora de emitir o laudo, por exemplo.

O telelaudo permite que especialistas tenham acesso às informações detalhadas do Holter mesmo à distância. Dessa forma, as clínicas conseguem otimizar outros setores, melhorar o atendimento e, ainda, certificar-se de que os resultados serão entregues ao público de maneira precisa e confiável.

Também reduz os custos envolvidos, pois não é necessário utilizar materiais, como papéis e envelopes, o que implica em um gasto significativo, por causa do volume de pacientes e exames realizados todos os meses. 

Além disso, o paciente tem mais comodidade e agilidade, já que com o auxílio da telemedicina, o comprometimento da entrega de resultado é de no máximo 24 horas, o que torna-se um ponto positivo, tanto para o público que tem em mãos o documento o mais rápido possível quanto para os profissionais que conseguem atender uma demanda expressiva.

Conclusão

O Holter é um exame eficiente e indicado para o diagnóstico de arritmias cardíacas e demais problemas que estejam associados ao coração. Ao longo do artigo, vimos que ele funciona como um monitoramento apurado da frequência cardíaca do paciente, analisando possíveis alterações nos batimentos ou outros problemas que podem surgir.

Vimos também o passo a passo de como é feito o exame Holter para que ele tenha a melhor qualidade técnica possível e sirva para laudos e interpretações mais precisas. Além disso, o uso da telemedicina é uma maneira de garantir mais agilidade na entrega ao paciente.

Para um diagnóstico rápido e tratamento eficaz na luta contra doenças que podem ser identificadas no exame Holter, é importante ficar atento aos sinais que indicam alguma anormalidade cardíaca e, caso necessário, procurar a ajuda de um médico especialista para solicitar o exame e ter uma visão mais completa sobre seu quadro clínico.

Siga-nos nas redes sociais para ter acesso a mais conteúdos como este e fique por dentro de todas as novidades. Estamos no LinkedIn e Facebook!


Referências Bibliográficas

BORGES, Arthur Porto. Desenvolvimento de um sistema holter de eletrocardiograma. 2018.

Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

MANUAL DO USUÁRIO, Cardiolight – gravador digital de holter, Rev Cardios 017, junho 2014.

Você também pode gostar

Deixe um comentário