Confira as tendências para o mercado de saúde digital

mercado de saúde digital
6 minutos para ler

O mercado de saúde digital é uma tendência promissora nas instituições clínicas, principalmente devido à modernização e ascensão do parque tecnológico e da evolução contínua dos conhecimentos científicos.

Com base nessa ferramenta é possível aperfeiçoar a assistência à saúde, proporcionando diagnósticos mais precoces, intervenções menos invasivas, recuperação mais rápida do paciente, entre outras vantagens.

No entanto, é fundamental selecionar os métodos mais adequados à realidade da instituição clínica, considerando inclusive a demanda, bem como os custos de aquisição e manutenção das tecnologias.

Então, se ficou curioso sobre o assunto, não deixe de conferir as tendências para o mercado de saúde digital! Acompanhe conosco!

Entenda sobre o mercado digital em saúde

O mercado digital em saúde é um conjunto de ferramentas tecnológicas que vieram para facilitar o cotidiano dos profissionais clínicos e foram transportadas das atividades já conhecidas em outros nichos.

Com a evolução tecnológica, muitas rotinas pessoais e profissionais foram completamente modificadas, desde o ato de assistir televisão até a praticidade de solicitar comida via aplicativos instalados no celular.

Também se observa muitas mudanças na esfera profissional, em que os recursos tecnológicos aperfeiçoam os trabalhos dos funcionários , monitoram suas atividades e acesso durante o expediente.

Pensando nisso, muitas estratégias exitosas foram incorporadas ao ambiente da saúde enquanto outras foram idealizadas para atender uma demanda cronicamente carente por melhores estruturas na medicina.

Portanto, a saúde digital desponta como uma alternativa mais efetiva para problemas clínicos, aumenta a produtividade dos serviços sem perder a qualidade e ajuda a tomar mais dinâmico e acolhedor para esses ambientes.

Principais tendências do mercado digital em saúde

Sabendo da necessidade crescente por melhorias na saúde, muitas tecnologias foram desenvolvidas para aperfeiçoar os aspectos relacionados à medicina diagnóstica, intervencionista e os parâmetros farmacológicos e terapêuticos.

Vejamos a seguir alguns exemplos.

Impressora 3D

A impressora 3D era algo impensável para a assistência à saúde, visto que não se vislumbrava sua aplicabilidade nos serviços clínicos. Todavia, os ajustes para atender esse nicho foram essenciais para a sensibilização dos profissionais de saúde.

Por meio da impressão 3D é possível visualizar todas as partes do órgão do paciente considerando as particularidades anatômicas que impactam na fisiologia e possivelmente explicam as causas patológicas.

Sendo assim, a impressora 3D permite uma avaliação médica mais criteriosa do diagnóstico, facilita a tomada de decisão pelo procedimento cirúrgico ou tratamento conservador e garante uma assistência personalizada.

As instituições hospitalares que já se aprimoram no método conseguem reproduzir fotograficamente os órgãos para discussão de casos clínicos entre os profissionais e publicação dos principais achados significativos.

Telemedicina

Uma das estratégias pioneiras no mercado de saúde digital é a telemedicina que foi transformadora nesse contexto. Seus princípios se baseiam praticamente em encurtar distâncias geográficas por meio da tecnologia.

Os métodos envolvem a emissão de laudos à distância, viabilização de cirurgias em tempo real por videoconferência para atualização dos conhecimentos, discussão com especialistas clínicos sobre um caso clínico complexo etc.

Também é possível compartilhar informações via aplicativos de mensagens instantâneas, armazenar e editar dados na nuvem e interagir em tempo real com pacientes e demais profissionais de saúde.

Inteligência artificial

O atendimento bancário via telefônico foi aprimorado, assim como a rotina para proteção residencial. Atualmente, os softwares de atendimento reconhecem a voz e sabem responder pequenos questionamentos dos usuários ou encaminham ao setor responsável.

No cotidiano residencial é viável instalar programas e câmeras em lugares estratégicos e monitorar desde a cuidadora dos idosos ou de bebê até o fechamento das portas e janelas à distância.

Também é possível manter acionamento imediato com as autoridades policiais se houve qualquer tentativa de invasão domiciliar além de conectar diversos aparelhos em um só dispositivo.

Os exemplos da inteligência artificial no cotidiano também podem ser utilizados no contexto clínico, principalmente com o uso de robôs que auxiliam o profissional durante a triagem do paciente. Sendo assim, o robô armazena os dados coletados e mediante comandos verbais os apresenta novamente para discussão do caso.

Os robôs são capazes também de executar procedimentos minimamente invasivos e assegurar um trabalho sem alterações emocionais que possam comprometer a desempenho, principalmente quando envolve risco de morte.

Internet das coisas

A internet revolucionou a comunicação mundial, inicialmente na modalidade discada via ligação telefônica. Com o passar do tempo e das evoluções tecnológicas, a internet se tornou quase instantânea nos dias de hoje, mesmo que seu potencial ainda não esteja explorado.

A partir dessa evolução, surgiram diversos programas e aplicativos compatíveis com computadores, tablets e principalmente celulares, artefato de uso constante e primordial na atualidade.

Esses aplicativos apresentam diversas funcionalidades que vão desde traçar o melhor trajeto para o ponto desejado até informar sobre dados bancários, transferências, fazer compras em lojas virtuais, entre outros.

No campo da saúde, esses aplicativos monitoram a pressão arterial, o nível de glicemia, taxa de oxigenação etc. e enviam essas informações em tempo real para os médicos que prestam assistência ao paciente.

Assim, a tomada de decisão é imediata e evita complicações que afetam o prognóstico do paciente, principalmente daqueles que sofrem de doenças crônicas de grande complexidade, como hipertensão, diabetes, câncer entre outros.

Modernização das rotinas clínicas

Antigamente era preciso preencher manualmente os formulários de cadastro de paciente, transcrever os exames solicitados em fichas para autorização pelas operadoras de planos de saúde e prescrever as receitas médicas.

O mercado de saúde digital propiciou um grande avanço nesse quesito com a formalização de softwares integrativos desde o registro de pacientes até a emissão de a conta hospitalar devidamente alimentada pelos usuários do sistema.

Adiante a essas tendências, algumas empresas já se consagram hoje como marketplace para facilitar a geração de laudos médicos de exames por método gráfico, com destaque para o programa NeoMED, Nesse sentido, são estruturados plataforma cloud que centralizam esses documentos, facilitando assim o acesso aos dados.

O mercado de saúde digital é constituído de diversas ferramentas que são adaptáveis às demandas das instituições clínicas. Para tanto é essencial conhecer profundamente os benefícios de cada um, o custo de aquisição e manutenção além de garantir capacitação adequada aos funcionários.

E você, ficou interessado nas possibilidades que as ferramentas tecnológicas podem agregar aos seus serviços? Então, entre em contato conosco e saiba mais!

Você também pode gostar

Deixe um comentário