Inovação em saúde: impactos positivos da transformação no setor de saúde

inovação em saúde
7 minutos para ler

Já passou o tempo em que a inovação em saúde parecia um termo futurístico e distante. Atualmente, a relação entre medicina e tecnologia já é indissociável — e ela só tende a se estreitar. Para se ter uma ideia, estima-se que a prática virtual da medicina, por exemplo, possa economizar 7 bilhões de dólares anualmente.

Mas a economia financeira é apenas um dos benefícios e parte dos objetivos da ajuda tecnológica na assistência médica. A seguir, explicaremos como essa integração pode favorecer a medicina e como se preparar para seu auxílio. Continue lendo para saber mais.

Quais são os benefícios da inovação em saúde?

Quando falamos em inovação em saúde, nos referimos, principalmente, a ferramentas tecnológicas que contribuem para a assistência médica. Desde os prontuários online até a telemedicina, essas ferramentas já fazem parte do cotidiano de diversos serviços.

A maioria dessas tecnologias surgiu com o objetivo de melhorar a eficácia da assistência no diagnóstico, no tratamento e na comodidade dos serviços. No entanto, percebemos que, quando elas são inclusas em um fluxo assistencial, novos benefícios começam a surgir. Confira, a seguir, alguns deles.

Simplificação do trabalho de equipe

É inegável que a assistência à saúde depende, cada vez mais, de uma equipe de profissionais. Além de múltiplas especialidades médicas que assistem um mesmo paciente, outros profissionais (como enfermeiros, fonoaudiólogos e fisioterapeutas) podem ser necessários.

Alguns fatores estão relacionados a essa crescente demanda pela multidisciplinaridade. Dentre eles, podemos destacar o envelhecimento da população, que aumenta o risco de comorbidades e o avanço da ciência, que leva, inevitavelmente, a uma superespecialização de profissionais dentro de determinada área.

Há alguns anos, essa necessidade de integração entre profissionais era realizada de forma excessivamente burocrática. Eram necessários formulários físicos de encaminhamento e prontuários distintos para áreas diferentes, por exemplo. Erros como perda de dados ao longo do processo e retrabalho eram mais comuns do que atualmente.

A tecnologia surgiu, nesse contexto, para aproximar diferentes especialidades na área da saúde. Com ela, é possível centralizar os dados do paciente e acessá-los remotamente de diversos centros, agilizando o atendimento. Além disso, softwares de integração de diferentes serviços — como a clínica e a propedêutica — auxiliam na busca e no contato de outros profissionais.

Melhora no atendimento

A burocracia no atendimento médico é uma preocupação crescente, em todo o mundo. Um artigo recente da Forbes evidenciou que, nos Estados Unidos, médicos passam mais tempo no preenchimento de formulários do que com o próprio paciente. Algumas consequências diretas dessa prática são a diminuição no tempo das consultas e a insatisfação dos próprios médicos.

Felizmente, a tecnologia vem acompanhando essa demanda. Com o uso de sistemas integrados em saúde, é possível automatizar tarefas que, em um sistema descentralizado, seriam dissociadas. Dados simples, como informações dos pacientes e códigos de solicitações, podem ser preenchidos automaticamente e poupar tempo dos médicos.

Na área propedêutica, outro uso frequente da tecnologia é o modelo pré-formado do laudo, que poupa tempo e garante a qualidade desse documento. Com isso, eles ficam mais livres para exercer seu papel principal — o atendimento médico — e tornar a assistência cada vez mais humanizada.

Satisfação dos pacientes

Há poucos anos, o termo “User Experience” começou a ganhar destaque no empreendedorismo. Surgido na Apple, ele busca traduzir a maneira como o usuário de um determinado serviço ou produto interage com ele. Atualmente, as empresas precisam atentar para essa variável, a fim de captar e fidelizar clientes.

A medicina não fica fora dessa nova realidade: atualmente, hospitais, clínicas e planos de saúde investem constantemente na melhoria do User Experience em seus serviços. Exemplos são agendamentos online de consultas, aprovação automática de solicitações e autoatendimento em centros de saúde.

Para tornar o serviço médico mais atraente e confortável para o paciente, a inovação em saúde é fundamental. Perceba que os exemplos que citamos anteriormente necessitam de um background tecnológico que envolve tecnologias como a computação na nuvem e a inteligência artificial.

Como se preparar para essa realidade?

Já compreendemos que a assistência à saúde e a tecnologia tendem, atualmente, a uma relação indissociável. Preparar o serviço para essa nova realidade, no entanto, pode exigir alguns cuidados da gestão dos atores da rede de saúde. A seguir, apresentaremos algumas maneiras essenciais para manter seu serviço sempre atualizado na inovação em saúde.

Busque fontes confiáveis

A partir da década de 90, a Medicina Baseada em Evidências ganhou relevância global. Ela se baseia, resumidamente, na utilização de parâmetros previamente definidos e estudados cientificamente para o cuidado à saúde.

A assistência médica, no entanto, não é a única que se beneficia dessa base em evidências: com o avanço do uso da tecnologia em saúde, novos artigos são publicados diariamente. Assim, é possível se manter atualizado com fontes confiáveis, mantendo o rigor científico que a medicina requer. Um exemplo de fonte reconhecida internacionalmente é a Healthcare, revista científica voltada exclusivamente para inovação em saúde.

Esteja atento aos concorrentes

Como vimos, a satisfação do paciente é um dos enfoques da tecnologia aplicada à medicina. Por isso, assim como em qualquer outro ramo do empreendedorismo, é preciso ter um enfoque na concorrência, afinal, seu paciente poderá considerá-la quando estiver pensando em aderir a um serviço.

Procure descobrir onde a inovação mais acontece

A alta velocidade de inovação em saúde requer atenção constante às novidades do mercado. Como essas tecnologias se aplicam a várias áreas do atendimento — como administração, propedêutica e interface com o usuário —, é necessário saber onde ela mais acontece. Afinal, qual novidade será aplicável ao seu serviço e em qual área ela se encaixa?

A resposta para essa pergunta pode demandar uma pesquisa de mercado constante. Para isso, mais uma vez, o uso de referências confiáveis pode ajudar. Além disso, outra dica é ficar atento às startups, de onde uma parcela considerável das tecnologias em saúde pode surgir.

Participe de eventos na área

Assim como as revistas científicas, os eventos médicos também têm cedido espaço para a inovação. Em congressos, por exemplo, já se tornou frequente a prática de exposição de serviços e produtos por empresas em estandes. Além de conhecer novas tecnologias, é possível interagir com outros atores de saúde e se atualizar sobre o que está sendo utilizado nessa área.

A inovação em saúde pode ser enxergada tanto como um desafio quanto como uma oportunidade para a rede de saúde. Se preparar para ela requer uma atualização constante sobre as novas tecnologias disponíveis e sobre a sua utilização no mercado.

Se você quer se manter sempre atualizado sobre as inovações na área da saúde, não perca tempo: assine já nossa newsletter e fique por dentro do assunto!

Você também pode gostar

Deixe um comentário